sábado, 31 de dezembro de 2016

Um Lugar Chamado Liberdade

Sinopse Livraria Cultura.


“Um romance histórico irresistível.” – San Francisco Chronicle Escócia, 1766. Condenado à miséria e à escravidão nas brutais minas de carvão, Mack McAsh inveja os homens livres, mas nunca teve esperança de ser como eles. Até que um dia ele recebe a carta de um advogado londrino que lhe revela a ilegalidade da escravidão dos mineiros e um novo horizonte se abre aos seus olhos. Porém, para realizar seu sonho, Mack precisará enfrentar todo tipo de opressão das autoridades que não estão acostumadas a serem questionadas. Já na idealizada Londres, ele reencontra uma amiga de infância, Lizzie Hallim, agora casada com Jay Jamisson, membro da família que tanto o atormentara na Escócia. Lizzie não se conforma em viver submetida aos caprichos dos homens e constantemente escandaliza a sociedade com seu comportamento e suas ideias não convencionais. Quando Mack é acusado injustamente de um crime, ela quebra protocolos e sai em sua defesa, mas o amigo é deportado para a América. Mack logo descobre que se trata de uma mera mudança de continente, não de ares sociais, pois a colônia também vive momentos de tensão: se na Inglaterra os trabalhadores não desejam mais ser explorados pela elite, ali os colonos preparam o caminho que os levará à independência do jugo inglês. Nesta saga repleta de suspense e paixão, Ken Follett delineia uma época de revoltas contra a injustiça com uma escrita enérgica e sedutora.
 
E assim o foi. Uma escrita enérgica e sedutora. Devorei as 400 páginas em 3 dias. Suei frio... vibrei com as respostas ácidas e rápidas das personagens... senti medo... não consegui prever o final do enredo - só parecia que seria um final feliz porque faltavam pouquíssimas páginas, mas as complicações eram inimagináveis para mim... ;)

Nenhum comentário:

Postar um comentário