sexta-feira, 12 de agosto de 2016

Trilogia e outros...

Se você pode ler uma trilogia "devorando-a" pode também ler três obras do mesmo autor uma após a outra, "sem respirar".
Depois de A Mansão do Rio, li O Príncipe das Marés e agora leio Canção do Mar.
Pat Conroy me conquistou!
Seus personagens são (repito) envolventes e marcantes.
 
                                                  Piazza Farnese - local onde morou Jack McCall
 
"Eu sussurrava a Leah que o sentido do olfato era melhor que um anuário para imprimir na memória o delicado grafite do tempo. E compreendi que a menina tinha desenvolvido extraordinariamente o seu quando, na metade de nosso segundo ano na Itália, ao passarmos pelo alimentari dos irmãos Ruggeri, ela me deteve e disse 'as trufas chegaram, papai, estão aqui', e eu senti aquele cheiro inconfundível de terra." (...) pág 12 da obra Canção do Mar, de Pat Conroy, Círculo do Livro.
 
Olfato para imprimir na memória o delicado grafite do tempo...
Fico a imaginar se, algum dia, meu vocabulário conseguirá dizer tanto com tão poucas palavras.
As letras me encantam, assim como o céu...
E o céu me encanta, não somente pelo esplender de um pôr do sol, mas pelos desenhos das nuvens em função da temperatura e do vento.
Posso dizer, então, que o vento quente (ou frio) desenha o céu com lápis branco?!
São palavras reclamando palavras...
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário