quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Ariano Suassuna

                                                            foto de Annaclarice Almeida

Jumento Sedutor é sua última obra.

Ariano Suassuna chamou de A ilumiara o projeto de fundição da sua produção artística. Nele, todos os gêneros estão conectados e fazem auto-referência à bibliografia do escritor. Para dar maior coerência e unidade ao conjunto da obra, ele revisitou os próprios romances, peças e poesias para fazer pequenas alterações. Segundo Carlos Newton Júnior, um dos objetivos era estimular o leitor de O jumento sedutor a ler outros títulos.

(1948) Na peça Os homens de barro, escrita entre 1948 e 1949, Ariano ajustou o enredo para que a história se passasse no conjunto de lajedos da Pedra do Reino. A mudança é sutil, mas já antecipa cenários de obras futuras.

(1955) João Grilo e Chicó, originários da peça Auto da Compadecida, de 1955, “ressuscitaram” duas décadas depois para substituir os personagens Piolho e Adauto, de Romance d’A pedra do reino

(1955) Em O jumento sedutor, há uma encenação de “Auto da Misericordiosa”, peça fictícia que faz referência ao Auto da Compadecida.

(1971) Romance d’A pedra do reino (1971) teve o título alterado na edição mais recente. Passou a se chamar A ilumiara – Romance d’A pedra do reino - Introdução ao romance de Dom Pantero no palco dos pecadores


(1971) O personagem principal de Romance d’A pedra do reino, Pedro Dinis Quaderna, reaparece em O jumento sedutor, embora o protagonista seja Dom Pantero (espécie de alter ego de Ariano Suassuna).

(1985) Várias poesias escritas por Ariano desde 1946 (muitas ainda inéditas) são reaproveitadas em O jumento sedutor. Exemplo disso são os Sonetos de Albano Cervonegro (parte de uma série de dez iluminogravuras), escritos originalmente em 1985.

(1995) Há 19 anos, Ariano circulava o país ministrando aulas-espetáculo. Essa experiência serviu de mote para O jumento sedutor, em cujo enredo o protagonista Dom Pantero oferece “aulas espetaculosas”. 

Leia mais sobre o escritor no Diário de Pernambuco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário