quinta-feira, 30 de julho de 2015

Frei Claudio Van Balen

Já tinha ouvido falar sobre Frei Claudio. E só hoje ouvi suas palavras. Polêmico. Muito interessante... Por meio século se dedicou à Igreja Nossa Senhora do Carmo, em Belo Horizonte.

No youtube encontramos vídeos de suas palestras, entrevistas ou mesmo missas.

Deus não pode interferir na vida de ninguém aqui na Terra.
Deus só pode interferir através de nós, através da natureza, da tecnologia...
Só há Deus dentro de nós... é um sopro, uma brisa suave que navega na natureza, sobretudo no íntimo da convivência humana... e quando nos permitimos tocar por este sopro ele faz maravilhas, mais do que você sozinho (a) seria capaz. Habita em você um mistério que você não pode sondar.
Há tantos Deuses quanto pessoas. Cada uma faz sua ideia de Deus, faz uma imagem...
Fé é um confronto comigo (consigo) mesmo.


terça-feira, 28 de julho de 2015

Constelação Familiar

Texto traído do site Simone Arrojo

A Constelação Familiar ou Sistêmica olha para as diversas consciências as quais somos tomados. Sabendo ou não, querendo ou não, gostando ou não, pertencemos à um grupo, a um sistema, a uma família, funcionamos assim.
Nosso corpo físico funciona num sistema, nossa sociedade, a natureza, as empresas, o planeta, as estrelas. Fazemos parte de uma constelação, por isso, o alemão Bert Hellinger chamou essa forma de interpretarmos essas relações de: Constelação. Cada encontro com ele é um movimento grandioso em direção às infinitas possibilidades de amadurecimento de alma.
Através do método de percepção do “Campo Mórfico” desenvolvido por por Sheldrake e por vários terapeutas importantes do século passado e desse, Bert foi corajoso em desenvolver um método claro e preciso na qual a pessoa traz um problema e o “campo” nos mostra o que não conseguimos perceber com nossa razão e olhos físicos.
Por exemplo, que dinâmica existe entre um casal que se agride? O que está por traz dessa agressão? Nesse campo, através dos representantes (pessoas que participam do grupo) podemos entrar em contatos com “Revelações Divinas”, como o próprio Bert descreveu a constelação no “Trainning Camp” de 2012, na Alemanha.
Com tanta experiências, pesquisas e vivências desenvolvidas por Bert, ele encontrou um meio de trazer a tona o invisível que atua no nosso destino e a forma de transformarmos isso, não só com o objetivo de nos curarmos mas também curarmos o TODO.
Ele percebeu que em várias gerações, assim como somos tomados pela aparência dos nossos familiares, seus dons, etc, também se repetiam situações de perdas, sofrimentos, doenças e outras situações as quais as pessoas nem percebiam estar envolvidas devido à consciência familiar atuando e não a consciência individual.
Ou seja, muitas pessoas falam: eu plantei tanta coisa boa e colho tantos problemas. Isso é karma? Onde está a lei da ação e reação? Muitas pessoas também notam que, de repente, aparece uma dívida, uma relação afetiva complicada ou somos “levados” a determinadas escolhas que parecem não serem nossas. Também notou que a nossa vida não responde aos nossos esforços se, inconscientemente estão envolvidos com historias que não são nossas. Ficamos indisponíveis para nossa vida e disponíveis para nosso sistema.
O sistema familiar busca equilíbrio e o fluir do amor, da prosperidade, do respeito, do pertencer, da hierarquia. Se, de alguma forma, algum membro do nosso sistema, sai dessas estruturas, alguém da próxima geração busca compensar isso, mesmo que inconscientemente. Por isso, a constelação é um método de diagnóstico, um processo de reorganização e equilíbrio dentro dos sistemas as quais pertencemos.
Hoje, as constelações Familiares ou Sistêmicas olham inclusive para outras vidas. Apesar de um tema ainda tão polêmico, o próprio Bert Hellinger nos trás de forma tão profunda e tão respeitosa as verdades que só os corajosos nesse processo de evolução podem usufruir.

terça-feira, 7 de julho de 2015

A morte ensina a viver

Quanto tempo eu tenho?
A resposta é invariamente a mesma: - Não sei!

O tempo que dou pra você e que você dá pra mim não vai voltar!

Noção de tempo fica mais valiosa quando se fala da morte.
Vida não tem "on"  e  "off" - liga e desliga. 
Você não deixa de estar vivo porque trabalha num lugar que  não aprecia. Que conta os minutos para estar de volta em casa...
O fato de você ponderar a morte traz a você mais lucidez para ponderar o que faz do seu tempo.

Felicidade é uma noção de realização!  Isto é sentido de vida...
Dei conta de fazer! Sou feliz! Fui feliz!

Ana Claudia Quintana... vídeo de ontem! Assistam!