terça-feira, 5 de agosto de 2014

Monarquia inglesa no século XVII

No livro Terra Virgem  o reinado de Carlos I é contado sob a ótica de John Tradescant, o filho do jardineiro do rei, no período de 1638 a 1649, entre a morte do pai e o fim do reinado de Carlos I.  
A autora descreve a vida deste jardineiro dividido com maestria num diálogo entre ele o filho de 14 anos que insiste em lutar ao lado do exército real:

- A paz em um reino é feita trabalhando-se incessantemente por um acordo - replicou ele. - Não passou toda a sua infância em um país em guerra e viu que no fim nada foi acertado, nada avançou?
-  Quero cumprir o meu dever!
John pôs a mão no galho da macieira, como se para daí tirar força.
- O seu dever é com o seu Deus, com o seu pai e a sua mãe - disse ele. 
- Você nem mesmo acredita em Deus - retrucou Johnnie. - Não acredita em nada. Não cumpriu o seu dever como pai. Você nos abandonou por anos. É homem do rei, mas não luta por ele, é pago pelo Parlamento e faz piada com o fato de ser jardineiro do Parlamento. É um plantador da Virgínia, mas fica em casa, em Lambeth. Não é você que vai dizer qual é o meu dever!
Hester avançou para proteger o enteado do tapa que deveria acontecer. Mas se deteve, recuou. John não bateu em Johnnie, mas ficou paralisado, a mão apertado no galho da macieira, até suas juntas ficarem brancas.
- Lamento que pense tão pouco de mim - disse John baixinho. - E o que disse é verdade. Perdi minha fé em Deus quando sua mãe morreu e eu não puder sequer segurá-la, com medo de passar a infecção para vocês. Tentei respeitar a fé dos outros. Mas a convicção me abandonou. Realmente, deixei você e Frances e sua madrasta em um momento em que deveria ter ficado e os protegido. Mas achei que o rei me convocaria para lutar, e nunca me dispensaria. E estava certo ao temer isso: ele convocou a quantidade de quatro reinos de homens para lutar e nunca mais os liberou. Tenho uma terra na Virgínia, mas eu só conseguiria mantê-la se matasse pessoas que tenho todos os motivos para amar e respeitar. Lá também havia uma guerra entre compatriotas. 
Johnnie estava prestes a falar, e Hester, que o conhecia tão bem, sabia que estava lutando para não cair em prantos e se jogos nos braços do pai. Manteve-se muito quieto, rígido como um soldado debaixo do fogo.
- Mas tenho o direito de falar - disse John. - Porque sei coisas que você não sabe. Porque refleti durante todo esse tempo. Lutei com uma lealdade contra outra, com um amor contra outro. Talvez me ache um fraco, mas foi assim que a vida me aconteceu. Não é uma vida simples, de lealdades simples. Não sou como o meu pai. Ele teve vários senhores a quem amou e seguiu com um coração leal. Ele amava Sir Robert Cecil, depois, o duque de Buckingham, e depois, o rei. Ele nunca os questionou por serem os senhores, e ele o homem. Mas não é assim comigo. E não será assim para você. O mundo mudou, Johnnie. Agora não basta falar em dever e se alistar ao ouvir o tambor de recrutamento. Tem de pensar por si mesmo, tem de escolher o seu próprio caminho. 

São 643 para serem deliciosamente devoradas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário