quarta-feira, 1 de maio de 2013

Personagens Históricos - o limite entre a história e ficção

Transcrevo aqui as ponderações de Ken Follet ao final de sua obra Queda de Gigantes:
"Este livro possui vários personagens históricos, e os leitores às vezes me perguntam como eu estabeleço o limite entre história e ficção. É uma pergunta pertinente, e aqui está a resposta.
Em alguns casos, como, por exemplo, no discurso de Sir Edward Grey diante da Câmara dos Comuns, meus personagens fictícios estão presenciando um fato que realmente ocorreu. O que Sir Edward diz neste romance corresponde às atas do Parlamento, com a ressalva de que eu resumi o pronunciamento sem, assim espero, ter omitido nada importante.
Às vezes, um personagem histórico vai a um lugar fictício, como quando Winston Churchill visita Ty Gwyn. Nesse caso, eu verifiquei que Churchill tinha de fato o hábito de visitar casas de campo e que poderia tê-lo feito por volta da data em questão.
Nos momentos em que figuras históricas têm conversas com meus personagens fictícios, em geral estão dizendo coisas que realmente disseram em algum momento. Quando Lloyd George explica para Fitz por que prefere não deportar Lev Kamenev, o texto se baseia em um memorando escrito por Lloyd George, citado na biografia de Peter Rowland.
Minha regra é: ou a cena de fato aconteceu, ou poderia ter acontecido: ou as palavras foram de fato usadas, ou poderiam ter sido. E, caso eu encontre algum motivo que impossibilite a cena de ter acontecido na vida real, ou as palavras de terem sido ditas - como, por exemplo, se o personagem estivesse em outro país na ocasião -, deixo a passagem de fora."

Fui uma das leitoras que questionou Ken Follett: - Isso realmente aconteceu como ele conta aqui nesta obra?
Foi quando li sobre o Natal de 1914 nos arredores de Paris. As tropas inimigas se cumprimentaram e comemoraram o Natal, assim como uma trégua óbvia. Óbvia porque ninguém concordava com aquela guerra. Em breve eles poderiam visitar os novos amigos (com quem trocaram cartas e endereços) em seus países de origem - a insensatez daquela rivalidade não iria durar muito.
Soube por intermédio do Google que um filme francês relatava o episódio: Feliz Natal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário