domingo, 28 de abril de 2013

Língua Portuguesa

Resolvi retomar os estudos e qual foi a matéria que escolhi?
Poderia ser espanhol, disciplinas do Direito, informática. Mas, escolhi o Português, de novo, : )
É fascinante, sem dúvida.
Pontos

No início era um ponto. Ponto de partida. O ponto onde a gente toca a circunferência, e faz-se a vida. Ponto pacífico.
O círculo é a timidez do ponto. A linha é o ponto desvairado. O travessão é o ponto-ante-ponto, a primeira exploração embevecida, a infância. Ligando as palavras.
Nasceu “Um ponto qualquer do mapa”. Sua mãe levou pontos depois do parto. A linha reta é o caminho mais chato entre o parto e o ponto final, preferiu o Ziguezague.
Teve uma vida pontilhada, os pontos que caíam nos exames, os pontos que subiam na Bolsa, os pontos de macumba, os pontapés. Mas sempre foi pontual.
O ponto é uma vírgula sem rabo.
A vírgula não é como o ponto e vírgula. A vírgula qualquer um usa, mas o ponto e vírgula requer prática e discernimento, vírgula modéstia à parte, ponto.
Nova linha. Fez ponto em frente à casa da namorada, uma circunferência com vários pontos positivos, apontada acima. Não dormiu no ponto, acabou convidado para entrar quando estava a ponto de desistir, pontificou sobre vários pontos, não demora já era apontado como íntimo da casa, jogava cartas (pontinho) com a família, parecia um pontífice, não desapontou. Casaram. Tinham muitos pontos em comum.
O sexo! Ponto de exclamação. Querida, estou a ponto de... não! Cuidado. Ponto fraco. A tangente toca a circunferência. Outro ponto no mapa. Parto. Pontos.
Tiveram muitos pontos em comum. Os outros caçoavam: que pontaria. Discordavam num ponto: a pílula.
Zig-zag-zig-zag. Os ponteiros andando. Um dia no futebol – jogava na ponta – sentiu umas pontadas. Coração. O ponto-chave.
O médico insistiu num ponto: pára.
Mas como? Chegara a um ponto que não podia parar, era um ponto projetado no espaço, a vida é um ponto com raiva, parar como? A que ponto? Saiu encurvado.
Como um ponto de interrogação.
Só uma solução, dois pontos: os treze pontos da loteria. Senão era um ponto morto. A linha era no eletro, outro ponto pacífico, o ponto no infinito, onde as paralelas, a distância mais curta entre, cheguei a um ponto em que, meu Deus... três pontinhos.
Jogou o que tinha num ponto de bicho e o que não tinha num ponto lotérico.
Não deu ponto.
Em casa a circunsferência e os sete pontinhos. Resolveu pingar os pontos nos "is". Melhor deixar uma viúva no ponto.
De um ponto de ônibus mergulhou, de ponta-cabeça, na ponta de um táxi, ou de um ponto de táxi na ponta de um ônibus, é um ponto discutível. Entregou os pontos.

VERÍSSIMO, Luis Fernando. O popular. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973, p.97-98.

Nenhum comentário:

Postar um comentário