terça-feira, 30 de abril de 2013

Fascismo no Mundo

Ken Follett tem me apresentado questões que, em teoria, eu deveria ter conhecido há anos, na escola.
Se a gente não assimila a História em função da obrigação / da imposição por notas lamento não ter tido professores apaixonados que me fizessem compreeender as conexões passado/presente/futuro. Afinal, acredito, a História se repete!
Tenho tempo: antes tarde do que  nunca.

Hoje, são os romances históricos meu incentivo.

Lloyd, personagem da obra Inverno do Mundo, é filho bastardo de um lorde inglês. Este luta contra a democracia acreditando não ser o sistema mais adequado para a Inglaterra na década de 30. Aquele, contra o totalitarismo e perseguição injusta aos judeus. Vai, inclusive, lutar ao lado dos espanhóis contra o avanço do fascismo sob o comando da Falange Espanhola.

No site Linearismo temos a inumeração dos movimentos fascistas no mundo, não apenas o alemão e o italiano nas décadas 1920-40:
Na Itália, o Fascismo comandado por Benito Mussolini, camisas-negras.
Na Alemanha, o Nacional-Socialismo, ou Nazismo, tendo como Comandante o ex-Cabo do Exército Alemão Adolf Hitler, usavam camisas-pardas.
No Afeganistão, as Ligas Nacionalistas Afegãs.
Na África do Sul, os Camisas Cinzentas.
Na Argélia, os Camisas-Verdes.
Na Argentina, a Legião Cívica comandada pelo General Argentino Fasola Castano. Também o grupo Revulsion e o Acionalismo Corporativo.
Na Áustria, o Nacional Socialismo Austríaco.
Na Bélgica, os Capacetes de Aço e os Rexistas comandados por Leon Degrelle.
Na Letônia os Peskonkrusts anti-soviéticos.
Na Finlândia, os Guardas Brancas.
Na Bulgária, os Nacionalistas de Muchakov.
No Canadá os filiados ao Partido Nacional Social Cristão comandados pelos srs. Adrien Arcand e Joseph Menard.
Na Checoeslováquia, os Fasistické Listy, camisas negras.
No Chile, a Milícia Nacional Chilena.
Na Espanha, a Falange Espanhola de José Antônio Primo de Rivera.
Nos Estados Unidos, os Camisa-Káki na Filadélfia, comandados pelo Deputado Mac Fodder e o General Smedley. Também os White-Shirts ou “ Cruzados da Liberdade”, comandados por George Christians. E ainda os Silver-Shirts, ou Camisas-Prateadas, de Oklahoma, Utah, Carolina do Norte, comandados por Wiliam Dudley Pelley, violente anti-semita norte-americano. E por fim, os Guardas-Nacionais de Nova York e Chicago.
Na França, a Action Française, comandada por Charles Maurras e Jean Moreas. Existia ainda a Croix de Feu, ou Cruz de Fogo, comandados pelo Coronel De La Roque. Também a participação decisiva do Grande Escritor Leon de Poncins, autor da Obra de Referência Universal: “ As Forças Secretas da Revolução”, que desmascara a Revolução Russa e o patrocínio dos Banqueiros Internacionalistas aos Movimentos Comunistas.
Na Holanda, o Partido Nacional Socialista Holandês, com sede em Utrecht.
Na Hungria, o Movimento Fascista Húngaro do Almirante Horthy, que ajudou a depor o carniceiro judeu Bela-Kun que matou mais de 150.000 húngaros até 1929.


Na Inglaterra, o Fascismo Inglês comandado por Sir Oswald Mosley (foto) Camisas Pretas.
Na Irlanda, os Camisas Azuis, comandados pelo General O’Duffy.
Na Iugoslávia, a Orjuna, ou Movimento Fascista Iugoslavo.
No Japão, O Integralismo Japonês comandados pelo Deputado Matsuoka.
No México, os Camisas-Douradas. Existiu também a Ação Revolucionária Mexicana, comandados pelo Presidente Rodriguez e o General Aaron Saez.
No Peru, o Aprismo, ou Movimento Cultural Peruano, comandados pelo escritor Haya de La Torre.
Na Polônia, os Camisas-cor-de-Cereja, ou Partido Nacional Socialista Polonês, N.S.P.R.
Em Portugal, o Integralismo Lusitano, fundado pelo escritor Antônio Sardinha.
Na Romênia, o Partido Nacional Cristão e a Guarda de Ferro, comandadas por Corneliu Codreanu.
Na Rússia os Neo-Fascistas, ou Isvestia, que lutavam contra os Sovietes e o Politburo.
Na Suécia, os chamados Nazis-Brancos anti-semitas.
Na Suíça, os Frontistas, que lançaram o Manifesto de Lugano de 1935, sob o comando de Leonhardt
Na Turquia, o Partido Fascista Turco de Mustafá Kemal
No Uruguai, o Nacionalismo Celeste de Ernesto Bauzá e Teodomiro Varela.
No Iraque, as Frentes Fascistas dos militares Selim Hesun Bey e Abdul-Gafur Chaldji.
Na Austrália os Colonos Nacionalistas de Gustav Benn. E a New Guard sobre o Comando de Eric Campbell, com sede em Winnipeg.
E por fim, o Integralismo no Brasil, o maior Movimento de Massas da História brasileira, que reuniu mais de 1 milhão de adeptos, sob o Comando do escritor Plínio Salgado, e tendo milhares de figuras de projeção da Sociedade Brasileira. O Integralismo era um Movimento essencialmente espiritualista, o que o diferenciou de outros Movimentos ditos “ Fascistas”. A base doutrinária do Integralismo Brasileiro apresenta uma inegável superioridade aos outros Movimentos ditos fascistas. A proposta do Estado Integral contemplava um Estado Forte, porém democrático; uma participação popular efetiva; uma formação moral e espiritual do cidadão e uma Estrutura Corporativa de Governo, mais avançada do que a proposta Fascista na Itália.

Nenhum comentário:

Postar um comentário